Book Haul: Junho/2016 – Parte 1

Olá, Pessoal!

Post extra aqui no blog! Hoje vou mostrar pra vocês o Book Haul de junho, que por sinal está bem recheado!

Este mês aproveitei quatro promoções para diminuir minha Wish List: 1) Desconto progressivo de dia dos namorados Saraiva (quanto mais livros comprados, maior o percentual de desconto; 2) Meliuz – O site que retorna parte das suas compras para sua conta estava com uma promoção imperdível: reembolso de 35 reais na primeira compra na Saraiva após cadastro na Meliuz (fiz compras com cadastro de 2 pessoas, rs). A promoção ainda está valendo até dia 04/07. 3) Preços promocionais na livraria Nobel; 4) Preços promocionais nas lojas Americanas.

Já podem perceber que estou falida! Falida, mas feliz!

Pra não ficar tão extenso, dividi o post em duas partes: uma hoje e outra no domingo!

Gostaria de compartilhar com vocês os livros adquiridos esse mês para, quem sabe, vocês colocarem algum deles em suas listas de leitura.

Image-3 (1)

Então vamos ver quais foram os livros e suas sinopses. Ah, alguns já tem resenha, mas conforme for resenhando, vou atualizando este post com o link, ok?

IMG_8691

A HISTÓRIA DE NÓS DOIS (Dani Atkins, Editora Arqueiro) – “Emma tem 27 anos, é linda e inteligente e vive cercada de pessoas que ama. Prestes a se casar com Richard, seu namorado desde a época de escola, ela não poderia estar mais empolgada.
Mas o que deveria ser o momento mais feliz de sua vida de repente vira uma tragédia. Emma sofre um acidente e é salva por um estranho minutos antes que o carro em que ela viajava explodisse.
Abalada, ela decide adiar o casamento. E nesse meio-tempo descobre segredos que a fazem questionar as pessoas nas quais sempre confiara – a ponto de duvidar se deve se casar afinal.
Para complicar, ela se sente cada vez mais ligada a Jack, o homem que a salvou e que não sai da sua cabeça. Jack é lindo, gentil e divertido, de um jeito diferente de todos que ela já conheceu. Por outro lado, é Richard quem ela sempre amou…
Uma mulher, dois homens, tantos destinos possíveis. Como essa história vai terminar?” POR QUE COMPREI? O livro é da mesma autora de Uma Curva no Tempo (Que por sinal é minha leitura atual) e como havia ouvido ótimas críticas do livro, resolvi comprar este.

TUDO E TODAS AS COISAS (Nicola Yoon, Editora Novo Conceito) – “Minha doença é tão rara quanto famosa. Basicamente, sou alérgica ao mundo. Qualquer coisa pode desencadear uma série de alergias. Não saio de casa nunca sai em toda minha vida. As únicas pessoas com quem convivo são minha mãe e minha enfermeira, Carla.
Eu estava acostuma com minha vida até o dia que ele chegou. Pela janela olho para o caminhão de mudança, e então o vejo. Ele é alto, magro e está vestindo preto da cabeça aos pés. Seus olhos são de um azul como o oceano.
Ele me pega observando-o e me encara. Encaro-o também. Descubro depois que seu nome é Olly.
Talvez eu não possa prever o futuro, mas posso prever algumas coisas. Por exemplo, estou certa de que vou me apaixonar por Olly. E é quase certo que será um desastre.”  POR QUE COMPREI? Conheci e me apaixonei pelo livro só pelas resenhas que vi nos blogs. Leia a resenha aqui.

MENINA MÁ (William March, Darkside) – “Quando nasce a maldade? Nascemos todos inocentes e somos corrompidos pelo mundo à nossa volta? Ou será a maldade uma espécie de semente que carregamos dentro de nós, capaz de brotar mesmo na mais adorável das crianças? Há 62 anos, um livro de suspense psicológico faria com que milhões de leitoresdiscutissem apaixonadamente essa questão. Que livro era esse? Menina Má, mais um clássico que a DarkSide Books desenterra para os fãs do que há de melhor, e mais sombrio, na literatura mundial. Publicado originalmente em 1954, Menina Má se transformou quase imediatamente em um estrondoso sucesso. Polêmico, violento, assustador eram alguns adjetivoscomuns para descrever o último e mais conhecido romance de William March. Os críticos britânicos consideraram o livro “apavorantemente bom”. Ernest Hemingway se declarou um fã. Em menos de um ano, Menina Má ganharia uma montagem nos palcosda Broadway e, em 1956, uma adaptação ao cinema indicada a quatro prêmios Oscar, incluindo o de melhor atriz para a menina Patty McComarck, que interpretou Rhoda Penmark. Rhoda, a pequena malvada do título, é uma linda garotinha de 8 anos de idade. Mas quem vê a carinha de anjo, não suspeita do que ela é capaz. Seria ela a responsável pela morte de um coleguinha da escola? A indiferença da menina faz com que sua mãe, Christine, comece a investigar sobre crimes e psicopatas. Aos poucos, Christine consegue desvendar segredos terríveis sobre sua filha, e sobre o seu próprio passado também. Menina Má é um romance que influenciou não só a literatura como o cinema e a cultura pop. A crueldade escondida na inocência da pequena Rhoda Penmark serviria de inspiração para personagens clássicos do terror, como Damien, Chucky, Annabelle, Samara, de O Chamado, e o serial killer Dexter. O romance de William March, que chega as livrarias em 2016, é ainda uma excelente dica de leitura para os fãs da coleção Crime Scene, da DarkSide Books, que investiga casos reais de psicopatas. A ficção nunca antes foi tão assustadoramente real como em Menina Má.” POR QUE COMPREI? Depois de ler “As gêmeas do gelo”, to meio interessada em mistério com crianças. Leia a resenha aqui

Image (4)

NA ILHA (Tracey Garvin Graves, Editora Intrínseca) – Uma ilha deserta e ensolarada, com vegetação luxuriante e banhada por um mar cristalino pode ser o cenário de um sonho. Ou de um pesadelo…
Anna Emerson é uma professora de inglês de 30 anos desesperada por aventura. Cansada do inverno rigoroso de Chicago e de seu relacionamento que não evolui, ela agarra a oportunidade de passar o verão em uma ilha tropical dando aulas particulares para um adolescente.
T.J. Callahan não quer ir a lugar algum. Aos 16 anos e com um câncer em remissão, tudo o que ele quer é uma vida normal de novo. Mas seus pais insistem em que ele passe o verão nas Maldivas colocando em dia as aulas que perdeu na escola.
Anna e T.J. embarcam rumo à casa de veraneio dos Callahan e, enquanto sobrevoam as 1.200 ilhas das Maldivas, o impensável acontece. O avião cai nas águas infestadas de tubarão do arquipélago. Eles conseguem chegar a uma praia, mas logo descobrem que estão presos a uma ilha desabitada.”
De início, tudo o que importa é sobreviver. Mas, à medida que os dias se tornam semanas, e então meses, Anna começa a se perguntar se seu maior desafio não será ter de conviver com um garoto que aos poucos torna-se homem. POR QUE COMPREI? Já estava na minha lista há um tempo e o encontrei na livraria Nobel por R$ 9.90 🙂 .

TÁ TODO MUNDO MAL (Jout Jout, Companhia das Letras) – “Do alto de seus 25 anos, Julia Tolezano, mais conhecida como Jout Jout, já passou por todo tipo de crise. De achar que seus peitos eram pequenos demais a não saber que carreira seguir. Em Tá todo mundo mal, ela reuniu as suas “melhores” angústias em textos tão divertidos e inspirados quanto os vídeos de seu canal no YouTube, “Jout Jout, Prazer”.
Família, aparência, inseguranças, relacionamentos amorosos, trabalho, onde morar e o que fazer com os sushis que sobraram no prato são algumas das questões que ela levanta. Além de nos identificarmos, Jout Jout sabe como nos fazer sentir melhor, pois nada como ouvir sobre crises alheias para aliviar as nossas próprias!” POR QUE COMPREI? Tenho um certo preconceito com livro de Youtubers, mas a Jout Jout é superengraçada e imagino que seus textos sobre crises devem ser do mesmo nível de seus videos. Leia a resenha aqui.

TRÊS COISAS SOBRE VOCÊ (Julie Buxbaun, Editora Arqueiro) – Setecentos e trinta e três dias depois da morte da minha mãe, 45 dias após o meu pai fugir para se encontrar com uma estranha que ele conheceu pela internet, 30 dias depois de a gente se mudar para a Califórnia e apenas sete dias após começar o primeiro ano do ensino médio numa escola nova onde conheço aproximadamente ninguém, chega um e-mail. Deveria ser no mínimo esquisito, uma mensagem anônima aparecer do nada na minha caixa de entrada, assinada com o bizarro nome Alguém Ninguém. Só que nos últimos tempos a minha vida tem estado tão irreconhecível que nada mais parece chocante… POR QUE COMPREI? Foi amor à primeira vista. Nunca tinha ouvido falar no livro e então dou de cara com essa capa maravilhosa e logo em seguida leio a Sinopse. Não saiu dos meus pensamentos até eu voltar para buscá-lo. Leia a Resenha aqui.

Espero que tenham gostado e acompanhem a parte 2. Beijos!

Anúncios

A Garota do Calendário – Fevereiro

Quem leu a primeira resenha de “A Garota do Calendário-  Janeiro” ficou curioso para ler o livro e aqueles que já leram, ficaram ansiosos pelo segundo volume “A Garota do Calendário – Fevereiro”. Então hoje você vai saber um pouco mais deste volume que está cativando fãs em todo o Brasil.

Como já disse, a série de 12 livros que serão lançados até o final de 2016 pela Verus Editora, foi escrita por Audrey Carlan e promete ser a nova febre de romance adulto no nosso país.

Depois de Mia Saunders ter passado todo o mês de janeiro ao lado de Wes, em que conheceu um pouco da indústria de Hollywood que faz parte da vida do roteirista, apimentou sua estadia com muito sexo, a garota estava ansiosa pelo seu novo cliente.

IMG_8684

Agora em fevereiro, Mia foi mandada a Seattle para ser a musa do artista plástico francês Alec Dubois na sua nova exposição “Amor à Óleo”.

Logo ao chegar ao prédio que Alec vive e trabalha, já se fascina com a sua beleza: “Lembrava o Ben Affleck, só que mais gostoso.” (Imagina esse homem!). Mas também, logo na sua chegada, Mia acaba sofrendo um pequeno acidente, que poderia arruinar seu trabalho deste mês e no entanto faz com que Alec tenha mais atenção e cuidado com a moça.

Na casa de Alec, Mia descobre que o artista não comprou as roupas para seu uso, previstas no contrato e logo começa a conhecer a excentricidade do francês, que a quer nua não só para posar para seus quadros, mas o tempo todo!

Não é porque Mia sentia algo por Wes que ela se fechará para os próximos clientes, pelo contrário: Mia é quem dará o primeiro passo para um algo a mais entre ela e Alec na cama.

A partir daí começam uma relação de sexo ainda mais intensa do que com Wes. Garanto a vocês que este livro é muito mais picante. Cerca de 80% do livro é sobre sexo. Mas além de ser um bom amante, Alec tem muitas lições a ensinar a Mia, já que sua coleção de telas reflete vários estágios do amor e ele quer que a garota esteja sentindo cada um deles ao posar para os quadros. Assim, o mês de fevereiro será também um mês de autoconhecimento em que Mia procurará seu amor próprio e ao mesmo tempo refletirá sobre o que realmente sente por Wes.

“Naquele momento, jurei a mim mesma que não tentaria me impedir de me importar com cada cliente. Eu me permitiria gostar de cada um do meu jeito. Só não seria o “eu te amo para sempre”. “Para Sempre” era algo sagrado, que aconteceria no momento certo com a pessoa certa.”

De verdade, eu devorei este livro! Já garanti meus próximos exemplares de “Março” e “Abril”, que serão lançados dia 18/07.

O tamanho dos livros (130 páginas em média) nos faz ler como se fossem contos, porém a diferença é que é uma única história dividida em 12 partes.

Estou amando e super ansiosa pelos próximos. E vocês, o que estão achando?

A Garota do Calendário – Janeiro

E aí, pessoal? Tem alguém aí buscando uma nova série de livros para se viciar? Pois a resenha de hoje vai deixar vocês com um gostinho de quero mais.

“A Garota do Calendário” é a nova aposta da Verus Editora, que já é sucesso absoluto nos Estados Unidos e promete o mesmo aqui no Brasil.

De autoria de Audrey Carlan, “A Garota do Calendário” é Mia Saunders, jovem de 24 anos que se vê desesperada para conseguir 1 milhão de dólares depois que seu pai fica em coma após ser espancado por conta da dívida que tem com um agiota com quem a garota já teve um envolvimento amoroso. Então sua tia, que trabalha com agenciamento de acompanhantes, lhe faz a proposta que pode salvar a vida do seu pai: que Mia trabalhe como acompanhante e seja contratada por mês, ou seja, cada mês estará à disposição de um homem diferente. O valor estimado é de U$ 100.000,00 mensal e caso Mia aceite se relacionar sexualmente com o cliente, recebe mais 20%. Sem ver outra saída, Mia aceita trabalhar como acompanhante e começa logo em janeiro.

A série de livros vai mostrar a história de cada mês, com cada cliente. Logo, serão lançados 12 livros, cada um mostrando o que aconteceu em cada mês. Não se assustem com a quantidade de páginas nem se preocupem com seus bolsos: os livros têm em média 130 páginas e custam R$ 19,90. A Verus começou a lançar agora em junho e serão lançados dois livros por mês até o fim do ano. Janeiro e Fevereiro já foi lançado e já vou reservar meus exemplares de março e abril, que já estão na venda da pré-estreia e serão lançados dia 18/07. As capas também estão fantásticas: bem parecidas, com uma mulher e um homem abraçados, porém cada uma com um vestido de estilo e cor diferentes, como vocês podem observar.

Image (3)

No livro de Janeiro, Mia é contratado por Weston Charles Channig III, o Wes, um roteirista de Malibu. Quando vai conhecê-lo, Mia ainda tem muitas expectativas de como será seu trabalho, mas assim que coloca os olhos em Wes, descobre que pode ser mais fácil do que imagina: Wes é um lindo homem de olhos verdes, sarado e gentil. Por que um homem desses contrataria um acompanhante? Ela descobre que na verdade, a mãe dele a contratou para que Wes não fosse incomodado por mulheres interesseiras nos eventos socias que ele poderia gastar seu tempo para fazer contatos para seus filmes.

“…era uma delícia. Dava um novo significado à expressão “colírio para os olhos”. Ele continuou a se aproximar, o peitoral quadrado e o abdome definido cada vez mais visíveis com a proximidade. O pedaço sexy de pele que mergulhava fazendo um V delicioso tinha pontos de areia e água do mar misturados. Aquilo me fez perguntar qual seria seu sabor”

Logo de início, ambos sentem uma atração incontrolável um pelo outro, mas Wes deixa claro: deseja Mia, mas não quer fazer sexo pagando. Óbvio que o livro tem muitas cenas picantes, mas se Wes vai pagar por noites de prazer com Mia, aí vocês terão que ler para descobrir!

Como janeiro é o começo dessa experiência, Mia também se vê num desafio: não se apaixonar por seus clientes, começando por Wes, já que todos os homens com quem ela já se envolveu a deixaram apaixonada e a magoaram. Agora ela tem que separar o profissional do pessoal. Mas será que ela vai conseguir?

Quanto às características da personagem, gostei bastante, pois é decidida desde o começo, não ficou fazendo doce para aceitar o trabalho para conseguir o que precisava. Já pega a manha de como deve se portar. Suas características físicas são bem diferentes da maioria das personagens desse tipo de livro: ela tem um corpo lindo e diz que veste 42, às vezes 44. Não é o biotipo modelo sem curvas e sem defeitos, tá mais pra um corpo violão.

A relação de Wes e Mia, além do algo a mais, se torna uma bela amizade e desconfio que teremos mais de Wes nos próximos livros.Ele um fofo, virou mais um crush pra minha coleção (rs!) e desconfio que cada livro terá um crush diferente para fazer a mulherada suspirar!

A leitura é fácil, rápida e deixa o leitor pedindo por mais.  Ainda mais pela prévia que deixa no final sobre o próximo livro.

Próxima resenha será sobre fevereiro, então leiam janeiro e nos falamos em breve!

Beijos!

Não Fale com Estranhos

Oi!

No último sábado terminei de ler “Não fale com estranhos”, último livro de Harlan Coben, lançado recentemente pela editora Arqueiro.

IMG_8654

 

Que saber se vale a pena ler? Então vamos à sinopse e logo falo sobre o livro:

“O estranho aparece do nada e, com poucas palavras, destrói o mundo de Adam Price. Sua identidade é desconhecida. Suas motivações são obscuras. Mas suas revelações são dolorosamente incontestáveis. 

Adam levava uma “vida dos sonhos” ao lado da esposa, Corinne, e dos dois filhos. Quando o estranho o aborda para contar um segredo estarrecedor sobre sua esposa, ele percebe a fragilidade do sonho que construiu: teria sido tudo uma grande mentira? 

Assombrado pela dúvida, Adam decide confrontar Corinne, e a imagem de perfeição que criou em torno dela começa a ruir. Ao investigar a história por conta própria, acaba se envolvendo num universo sombrio repleto de mentiras, chantagens e assassinatos.

Intrigante e perturbador, Não fale com estranhos é mais que um suspense de tirar o fôlego. É uma reflexão sobre o bem e o mal, o amor e o ódio, o certo e o errado, os segredos, as mentiras e suas consequências devastadoras.”

O livro é narrado em terceira pessoa e começa com a abordagem do estranho à Adam, que após saber um segredo que sua esposa guardou e que poderia ter mudado o rumo de suas vidas, investiga o fato e ao saber a verdade, pressiona Corinne para que confesse tudo. Ela não dá muitas explicações e um dia, após Corinne sair para trabalhar, manda uma mensagem para Adam pedindo um tempo e o deixando sozinho com os dois filhos. Ninguém consegue localizar Corinne e Adam começa a investigar onde a mulher possa estar, o que a motivou a guardar tais segredos e porque se afastou. Ao mesmo tempo, apesar do foco do livro ser o paradeiro de Corinne, alguns capítulos contam o que acontece com outras pessoas, nem sempre ligadas a Adam, mas sempre ligadas ao estranho.

No desenrolar do livro, vamos ligando um acontecimento ao outro, quando finalmente encontramos o que liga todos os personagens.

O livro mostra até onde as pessoas estão dispostas a ir para proteger seus segredos ou sua família e como nada ficará escondido para sempre.

Harlan Coben, como sempre, tece suas histórias com muito talento, sempre nos surpreendendo com o final. Porém, acho que o livro deixou algumas dúvidas sobre um dos personagens sem resposta.

Nos agradecimentos finais, algo interessante: Harlan agradece nomes que são de muitos personagens do livro. Essas pessoas fizeram doações para instituições de caridade em troca de ter seus nomes na obra de Harlan.

Ótimo livro, ótima ação!

Coloquem o livro na sua lista! Vocês vão gostar!

P.S.: A gatinha fofa da foto é a Katniss que acha que é modelo do blog! Tem mais fotos dela no instagram 🙂

Como Eu Era Antes de você – Filme

Olá, Pessoal!

Como vocês já sabem, o tão aguardado filme “Como eu era antes de você”, adaptação do livro de Jojo Moyes, estreou em todo o Brasil no dia 16/06. Eu faço parte do imenso grupo que amou o livro e não via a hora de ver o filme, então, para atender a estes fãs, teve pré-estreia especial em comemoração ao Dia dos Namorados e eu fui conferir o filme nesse período.

Image-3

Se você não leu o livro ou não quer detalhes sobre o filme, pare por aqui, pois este post é apenas minha impressão sobre o filme e comparação com o livro. CONTÉM SPOILERS!!! Se você já viu, gostaria que dividisse comigo sua opinião!

O filme da Warner tentou traduzir o livro em 109 minutos. Emilia Clarke e Sam Claflin são os nomes que dão vida à Louisa e Will. A autora fez questão de acompanhar as filmagens e aprovar cada cena.

Os banners de divulgação dos cinemas ficaram lindos 🙂 Olha só:

Estava com bastante expectativa para ver o filme e confesso que achei que seria um filme dramático, porém o drama ficou apenas para o final. Na verdade, o filme foi bem engraçado. A atriz Emilia Clarke foi a maior responsável pela comédia, atuando de forma singular e dando a Louisa toda excentricidade que Jojo demonstrou no livro. Destaque para as roupas de Louisa, exatamente como imaginamos.

Já Sam no papel de Will representou muito bem um tetraplégico, principalmente nos olhares de soslaio para Lou (parte fofa!). Amo o Sam e sou suspeita pra falar. Quanto ao personagem, achei que o filme não mostrou todo o drama que Will vive, suavizando mais as cenas, como é o caso de quando ele está na corrida de cavalos, que pra mim foi uma cena angustiante e Will estava nitidamente aborrecido no livro.

 

PARTES QUE FORAM CORTADAS:

  • O labirinto;
  • A mudança da Lou para a casa do Patrick;
  • O pedido de demissão de Louisa após a descoberta da intenção de Will;
  • O caso extraconjugal do pai de Will;
  • Louisa confessando à irmã que se apaixonou por Will;
  • A cena do hotel, após o casamento;
  • Tatuagem;
  • O vazamento da notícia da decisão de Will para os jornais.

Algumas partes do filme foram alteradas em comparação com o livro, mas nenhuma com grande importância. Achei também que em algumas partes o filme corre muito para se encaixar no tempo e para quem não leu o livro pode ter ficado meio confuso.

 

PONTOS ALTOS DO FILME:

  • Aniversário da Lou (ela ganhando a meia de abelhinha S2);
  • Concerto (desde o convite até a volta);
  • Casamento da ex-namorada de Will;
  • Primeiro beijo (parte que não estava no livro, mas que achei que deu super certo!)
  • Último dia da viagem

Apesar de eu ter achado vários pontos diferentes, omitidos (todo leitor percebe, rs, somos quase críticos profissionais de cinema nessas horas), amei o filme, pois achei que o que tinha que ter, teve e as partes que não foram cortadas foram 85% fiéis ao livro. Já quero ver o filme de novo, rs.

E pra finalizar, deixo essas duas fotos que fizemos inspiradas no livro:

Beijos!

 

O Ano Em Que Disse SIM – Shonda Rhimes

Olá, Pessoal!

Quem curte séries, com certeza já ouviu falar de Shonda Rhimes. Ela é a criadora das séries Grey’s Anatomy (minha favorita e que já vai para sua décima terceira temporada de sucesso), Private Practice (spin-off de Grey’s Anatomy), Scandal e produtora executiva de How to get away with murder. Com exceção de Private Practice, que já foi encerrada, suas séries são transmitidas, uma após a outra, no horário nobre das quintas-feiras na ABC. Não há dúvida que Shonda é uma mente brilhante, mas como é sua vida?

“O Ano Em Que Disse Sim”, da editora Best Seller, não é uma biografia completa da autora e sim o que mudou na sua vida a partir de 2014.

IMG_8619

Depois de anos de trabalho, com séries de sucesso, o nome de Shonda ficou conhecido.

Era uma manhã de Ação de Graças, quando Shonda decide se gabar para sua irmã sobre os inúmeros e invejáveis convites que recebeu por causa do seu trabalho: festas, encontros, reuniões, eventos etc. Foi quando sua irmã fez a seguinte pergunta: “Você vai aceitar um desses convites?” e logo em seguida fez a declaração que mudou a vida de Shonda: “Você nunca diz SIM para nada!”. Essa frase ficou martelando na cabeça de Shonda e no seu próximo aniversário ela decidiu: Passar um ano dizendo sim!

“Se você quer que coisas ruins parem de acontecer com você, pare de aceitar coisas ruins e exija algo mais.”

E esse ano é o ponto central do livro. A escritora fala das dificuldades de começar a socializar conforme foi dizendo os primeiros SIM’s. Ela, que era introspectiva, vivia no seu mundo, é mãe de três filhas, tem sucesso no trabalho, viu que era infeliz por não se abrir às oportunidades. Shonda nos conta como sua vida mudou a partir dos acontecimentos seguintes com pitadas de humor e utilizando de seu talento para contar boas histórias.

“Dizer “não” foi uma forma de desaparecer.”

“Dizer “não” foi minha própria forma silenciosa de suicídio.”

O livro é um instrumento motivacional para dar um incentivo a quem se fecha em sua “casca”. Através de sua experiência ela nos mostra como alcançar a felicidade se conhecendo e aprendendo a ser fiel a si mesma. Como dizer sim ao que você quer pra sua vida, em todos os campos.

Durante a leitura, marquei muitas páginas com frases que considero que se eu as mantiver por perto, serão alavancas para me fazer chegar onde quero.

“Acho que muita gente sonha. E, enquanto estão ocupadas sonhando, as pessoas felizes de verdade, as pessoas bem-sucedidas de verdade, as pessoas relmente interessantes, poderosas, engajadas estão ocupadas, fazendo.”

Uma das partes mais legais do livro é quando ela fala de Christina Yang, que é uma das minhas personagens favoritas de Grey’s  Anatomy e também tive a impressão de ser a dela. Ela fala da influência da personagem na sua vida e da sua vida na construção da personagem. Muito interessante!

Aconselho a todos que leiam, pois é quase como um manual de como ser feliz!

Que venham outros livros de Shonda Rhimes!

Até mais!

As Gêmeas do Gelo

 E aí, Pessoal?

A resenha de hoje é o thriller psicológico “As Gêmeas do Gelo”, que recebemos no Mochilão Record. O livro foi escrito por S.K. Tremayne, que é um pseudônimo de um jornalista britânico.

IMG_8531

Não tinha ouvido falar do livro até ganhar, mas o próprio pessoal da Record falou muito bem, inclusive dizendo ser  melhor que “A Garota no trem”. Como adoro um suspense, resolvi colocar na minha lista de leitura. Vejam a sinopse:

“Um thriller psicológico aterrorizante perfeito para os fãs de A Garota no Trem. Um ano depois de Lydia, uma de suas filhas gêmeas idênticas, morrer em um acidente, Angus e Sarah Moorcroft se mudam para a pequena ilha escocesa que Angus herdou da avó, na esperança de conseguirem juntar os pedaços de suas vidas destroçadas. Mas quando sua filha sobrevivente, Kirstie, afirma que eles estão confundindo a sua identidade — que ela é, na verdade, Lydia — o mundo deles desaba mais uma vez. Quando uma violenta tempestade deixa Sarah e Kirstie (ou será Lydia?) confinadas naquela ilha, a mãe é torturada pelo passado — o que realmente aconteceu naquele dia fatídico, em que uma de suas filhas morreu?”

O título do livro faz menção ao dia mais frio do ano, que foi a data do nascimento das gêmeas e a cor de seus cabelos, brancos como neve.

O livro é narrado alternadamente por Sarah, a mãe das meninas, contando sua visão, e em terceira pessoa, contando os acontecimentos do dia a dia do pai, Angus. Não entendi porque o Angus não narrou estas partes. Talvez tenha sido intenção do escritor enfatizar o sentimento da mãe no meio disso tudo.

Lydia morreu numa noite em que as gêmeas estavam na casa dos pais de Sarah, só as três, e de repente Sarah ouve um grito de Kirsten. A menina gritava na sacada que Lydia tinha caído.

Um ano depois, decidindo recomeçar suas vidas, o casal resolve se mudar com a sua filha Kirsten para uma pequena ilha na Escócia, que Angus herdou de sua avó. A casa está bem acabada e precisa de sérios reparos, mas eles partem esperançosos de diminuírem a dor que sentem pela perda.

“Todo amor é uma forma de suicídio”

Logo no primeiro capítulo, numa conversa entre Sarah e Kirsten, a menina pergunta pra mãe porque ela a chama de Kirsten, já que ela é a Lydia e quem morreu, na verdade, foi a Kirsten. Daí o livro começa a explorar a confusão junto com as adaptações de uma nova vida da família. Kirsten (ou seria Lydia?), além dessa afirmação, às vezes refere-se a si mesma como “nós”, algumas vezes diz brincar com a irmã e surgem no leitor (e nos pais da menina) algumas dúvidas: 1)Foi cometido um engano quanto à identidade da gêmea que morreu? Afinal a única garantia que foi Lydia quem morreu foi sua irmã gritando seu nome na hora da queda; 2)Estaria a gêmea morta habitando o corpo da gêmea que restou?; 3)Estaria a menina mentindo ou confusa sobre a morte da irmã? 4)O fantasma da gêmea morta aparece para a irmã?

O livro vai te levando a vários caminhos, várias expectativas e o leitor vivencia o psicológico da mãe bem abalado com toda essa situação, o pai tentando salvar sua família e a filha sofrendo para ser compreendida. Também tem algumas fotos para ajudar o leitor a construir a imagem dessa casa sombria que os personagens passam a viver.

Tive várias ideias de como seria o final, que acabou sendo um pouco de cada coisa que passou pela minha cabeça, rs, apesar de eu ter achado que o livro não teve muita oscilação nos sentimentos que provocaram. Em toda a leitura fiquei apreensiva, porém não há uma parte que eu tenha considerado o ápice da história.

No desfecho da história, voltei algumas páginas para reler e entender melhor, rs. Tem que ler com calma, pois às vezes até o leitor fica perdido.

O livro foi bom, teve um enredo diferente e recomendo a todos.  Gostei bastante da escrita do autor e o jeito que ela te prende.

Até mais!